Suplementos antioxidantes para prevenção da mortalidade em indivíduos saudáveis e em pacientes com várias doenças


INTRODUÇÃO: Nossa revisão sistemática demonstrou que suplementos com antioxidantes podem aumentar a mortalidade. Nós agora atualizamos a revisão. OBJETIVOS: Avaliar os efeitos benéficos e prejudiciais dos suplementos com antioxidantes para a prevenção da mortalidade em adultos. MÉTODOS DE BUSCA: Nós pesquisamos nas seguintes bases de dados, até fevereiro de 2011: The Cochrane Library,MEDLINE, EMBASE, LILACS, Science Citation Index Expanded e Conference Proceedings Citation Index-Science. Verificamos as listas bibliográficas de publicações relevantes e entramos em contato com empresas farmacêuticas buscando por estudos adicionais potencialmente relevantes. CRITÉRIO DE SELEÇÃO: Nós incluímos todos os ensaios clínicos randomizados de prevenção primária e secundária que compararam suplementação com antioxidantes (betacaroteno, vitamina A, vitamina C, vitamina E e selênio) versus placebo ou nenhuma intervenção. COLETA DOS DADOS E ANÁLISES: Três autores extraíram os dados. Metanálises de modelos de efeitos randômicos e fixo foram realizadas. O risco de viés foi avaliado para minimizar o risco de erros sistemáticos. Análises sequenciais dos estudos foram realizadas para minimizar o risco de erros aleatórios. Análises de meta-regressão de modelo de efeitos aleatórios foram realizadas para avaliar fontes de heterogeneidade entre os estudos. PRINCIPAIS RESULTADOS: Foram incluídos 78 estudos randomizados com 296.707 participantes. Desses, 56 estudos incluindo 244.056 participantes tinham baixo risco de viés. Ao todo, 26 estudos incluíram 215.900 participantes saudáveis e 52 incluíram 80.807 pacientes com várias doenças em fase estável. A média de idade dos participantes foi de 63 anos (variando de 18 a 103 anos) e em média 46% eram do sexo feminino. Dos 78 estudos, 46 eram ensaios clínicos de grupos paralelos, 30 eram do tipo fatorial e 2 eram do tipo cross-over. Todos os antioxidantes foram administrados por via oral, sozinhos ou em combinação com as vitaminas, minerais ou outras intervenções. A duração da suplementação variou de 28 dias a 12 anos (duração média de 3 anos, mediana de 2 anos). Em geral, a suplementação com antioxidantes não teve nenhum efeito significativo sobre a mortalidade em uma metanálise de modelo de efeitos randômicos (21.484 mortos/183.749, 11,7%; versus 11.479 mortos/112.958, 10,2%); 78 estudos, com risco relativo (RR) de 1,02, intervalo de confiança de 95% (95% CI) de 0,98 para 1,05); porém essa intervenção levou a um aumento significativo de mortalidade em um modelo de efeito fixo (RR 1,03, 95% CI 1,01 a 1,05). A heterogeneidade foi baixa, com I2 de 12%. Na análise de meta-regressão, o risco de viés e o tipo de antioxidante foram os únicos preditores significativos da heterogeneidade entre estudos. A análise de meta-regressão não encontrou diferença significativa na estimativa do efeito da intervenção na prevenção primária e secundária. Nos 56 estudos com baixo risco de viés, os suplementos com antioxidante aumentaram significativamente a mortalidade (18.833 mortos/146.320 12,9%; versus 10.320 mortos/97.736, 10,6%; RR 1,04, 95% CI 1.01 a 1,07). O efeito foi confirmado pela análise sequencial de estudos. Após a exclusão dos estudos fatoriais com potencial de confusão, a metanálises com 38 estudos com baixo risco de viés mostrou que a suplementação levou a um aumento significativo da mortalidade (2.822 mortos/26.903, 10,5%; versus 2.473 mortos/26.052, 9,5%; RR 1.10, 95% CI 1,05-1,15). As metanálises dos estudos com baixo risco de viés, a suplementação com betacaroteno (13.202 mortos/96.003, 13,8%; versus 8.556 mortos/77.003, 11,1%; 26 estudos, RR 1,05, 95% CI 1,01 a 1,09) e com vitamina E (11.689 mortos/97.523, 12,0%; versus 7.561 mortos/73.721, 10,3%; 46 estudos, RR 1,03, 95% CI 1,00 a 1,05) aumentaram significativamente a mortalidade, enquanto a suplementação com vitamina A (3444 mortos/24.596, 14,0%; versus 2.249 mortos/16.548, 13,6%; 12 estudos RR 1,07, 95% CI 0,97 a 1,18), vitamina C (3637 mortos/36.659, 9,9%; versus 2.717 mortos/29.283, 9,3%; 29 estudos, RR 1,02, 95% CI 0,98 a 1,07) e com selênio (2.670 mortos/39.779, 6,7%; versus 1.468 mortos/22.961, 6,4%; 17 estudos, RR 0,97, 95% CI 0,91 a 1,03) não afetaram significativamente a mortalidade. Na análise de meta-regressão univariada, houve associação significativa entre a dose de vitamina A suplementada com aumento da mortalidade (RR 1,0006, 95% CI 1,0002 a 1,001, P = 0,002). CONCLUSÃO DOS AUTORES: Não encontramos nenhuma evidência que apoie o uso de suplementos com antioxidantes para prevenção primária ou secundária da morte. O uso de betacaroteno e de vitamina E parece aumentar a mortalidade e o mesmo acontece com doses altas de vitamina A. Os suplementos com antioxidantes precisam ser considerados como produtos medicinais e devem ser submetidos a avaliação adequada antes de serem colocados no mercado. NOTAS DE TRADUÇÃO: Tradução do Centro Cochrane do Brasil (Arnaldo Alves da Silva e Maíra Tristão Parra).
Epistemonikos ID: 68de75d0f88f1af80838ae41be3ea4526c50737e

citation » Goran Bjelakovic, Dimitrinka Nikolova, Lise Lotte Gluud, Rosa G Simonetti, Christian Gluud. Antioxidant supplements for prevention of mortality in healthy participants and patients with various diseases. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2012;3(3):CD007176.